Conheça os blocos de carnaval mais tradicionais do país

06 Feb, 2020

Quando um ano começa, todo o Brasil se veste de alegria para curtir os festejos do carnaval. A festa mantém sua particularidade cultural, de acordo com os grupos que formam blocos e fazem desfiles pelas ruas durante os dias de folia.

Mas você sabe porque os cinco dias de alegria viraram tradição?

Surgido na antiguidade para celebrar os deuses pagãos e a natureza, o carnaval tornou-se popular no Brasil em meados do século XIX, quando grupos de pessoas saíram pelas ruas do Rio de Janeiro para se divertir. Os primeiros registros de blocos licenciados pela polícia carioca datam de 1889.

carnaval-blog.png

Agora para poder se programar e não perder a folia, confira abaixo os principais blocos carnavalescos que separamos em seis regiões diferentes:

Baianas Ozadas (Belo Horizonte, Minas Gerais)

Em 2012, o baiano radicado em Belo Horizonte, Geo Cardoso, acostumado aos carnavais de Salvador e de sua cidade natal Ilhéus, criou o bloco que se tornou a sensação da folia na capital mineira. Convidando toda a cidade para curtir um jeito baiano de ser, com saias, turbantes e balangandãs, adicionou ao caldeirão da festa um novo tempero: os ritmos e músicas dos eternos carnavais da Bahia. Essa "ozadia" que contagiou a massa, fez o Baianas Ozadas ser seguido por mais de 650 mil foliões no último carnaval.

Baixo Augusta (São Paulo, Capital)

Fundado em 2009, a história do Bloco Acadêmicos do Baixo Augusta se confunde com o processo de retomada do carnaval de rua da cidade. Com uma postura ativista pelo direito à cidade e pela ocupação cultural das ruas, o Acadêmicos do Baixo Augusta se tornou um dos maiores blocos de carnaval de São Paulo, tendo reunido em 2019 mais de 1 milhão de pessoas em seu desfile.

Bloco do Minhocão (Tucuruí, Pará)

Criado há 22 anos por feirantes da cidade de Tucuruí (sudeste do estado), o Bloco do Minhocão já é tradição e se destaca pelo desfile de uma minhoca gigante, que é levada pelos foliões. O bloco conta ainda com cortejo de trios elétricos, bandas locais e de outros estados do país, numa espécie de micareta. A folia reuniu mais de 15 mil participantes no último ano e acontece sempre aos domingos de carnaval.

Cordão Bola Preta (Rio de Janeiro, Capital)

Além das famosas escolas de samba, a tradição de blocos de rua atravessa gerações até hoje. Entre os mais famosos e tradicionais, está o Cordão da Bola Preta, que foi fundado em 1918 e recebeu esse nome de um de seus fundadores (Kaveirinha) ao ver passar uma linda mulher com vestido branco com bolas pretas. A agremiação é uma das mais populares e carrega mais de 1 milhão de pessoas anualmente.

Filhos de Gandhy (Salvador, Bahia)

Conhecido como o mais famoso e maior afoxé da Bahia, muitas vezes chamado de Candomblé de Rua ou Negreiro Pernambucano (um ritmo musical com origem no Pernambuco). Filhos de Gandhy foi fundado por estivadores portuários há 71 anos, inspirado nas tradições das religiões africanas. Tem como principal destaque um cortejo feito apenas por homens ornados com colares de contas azuis e brancas, que se vestem com roupas e turbantes das mesmas cores. Além disso, levam perfume de alfazema para derramarem sobre os Filhos de Gandhy (foliões).

Galo da Madrugada (Recife, Pernambuco)

O Galo da Madrugada abre o carnaval recifense tradicionalmente no sábado de Zé Pereira. Criado em 1978, carrega anualmente mais de um milhão de pessoas. O desfile consiste na passagem de vários trios elétricos pelo centro da cidade ao som de frevo e bandas relacionadas ao gênero. O bloco foi oficialmente considerado pelo Guinness Book (livro dos recordes) a maior agremiação de carnaval do mundo em 1995.

Se você é um desses carnavalescos assumidos, por meio do app da Shapp você pode encontrar professores particulares que te ajudarão a não fazer feio nas danças, na maquiagem e até mesmo na cantoria. Por isso, não perca tempo, pois a grande festa nacional já está chegando. Ótimo carnaval!

Comentários

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro!


Comentar